quarta-feira, 31 de outubro de 2007

CRÓNICAS DA MINHA TERRA "OS BRACIAIS"

(horta da mercedes do J. ladeira)

BRACIAIS, O MEU SÍTIO.


A Susana Moreno, foi a primeira pessoa que eu me lembro ter a coragem de dizer que residia nos BRACIAIS. Foi numa aula de Fancês com a D. Cândida, talvez no 1º ano 3ª turma do Curso Geral do Comércio que a professora lhe perguntou:- então, diga lá, a menina é de aonde, diga lá?....

Quando eu ouvi a pergunta da professora fiquei meio assustado e pensei, o que será que ela vai dizer?... mas a Susana, com aquela enorme simplicidade/grandiosidade que sempre caracterizou a grande mulher que sempre foi e ainda hoje é, certamente, disse simplesmente, sou residente nos Braciais senhora D. Cândida.

Daqui aproveito para a cumprimentar, como amigo e colega e para lhe dizer que nunca mais me esqueci deste pequeno pormenor. Aqui vão os meus sinceros parabéns por tal atitude de honradez e de fidelidade ao sítio onde se reside ou se nasce. BRACIAIS SEMPRE...

Os BRACIAIS começam na horta do Ti Manel António, o pai do Nica, do Adelino que esteve na América, pai da Ilda, a mulher do grande poeta braciasense Alfredo DIOGO (a propósito quem tem a obra deste poeta que precisava de publicar aqui alguns poemas, aló SOLEDADE URBANO preciso da tua ajuda) e terminam na venda do Zé Raimundo.

Nesse intervalo há braciasenses de grande valor, gente muito importante, gente que fizeram coisas grandes a nível do País. Aí vão três grandes personalidades dos Braciais.

ANTÓNIO SERRENHO, ele que foi grande vendedor da firma BRAZ & BRAZ e os filhos, o Professor Doutor António José Nobre Rodrigues (falecido) que chegou a vice Reitor da Universidade Lusíada e o Dr. Rui Nobre Rodrigues, empresário e académico de mérito.

Depois vem...

(continua)



João Brito Sousa

Sem comentários:

Publicar um comentário