segunda-feira, 19 de novembro de 2007

POESIA

(café aliaNça em Faro)


DOIS MILHÕES


Foi um amigo que me os pediu quando me disse
Óhi, estou desgraçado arranja-me aí dois milhões
E pensei que mesmo sendo uma enorme chatice
Lembrei-me que os amigos são para as ocasiões.

E falei com rapaziada que teria condições
Para se arranjar o dinheiro e enviá-lo ao amigo
Mas cheguei à conclusão que não são dois tostões
O dinheiro que pediste, mas sim dois milhões.

E porque eu tinha a obrigação de arranjar..
Aquilo que me foi solicitado... para enviar
A um amigo verdadeiro sem quaisquer hesitações

Aqui te digo que fiz tudo o que estava à mão
Mas não vi para o caso qualquer solução.
Porque ninguém tem por ai, livres, dois milhões

João Brito Sosa

Sem comentários:

Publicar um comentário