domingo, 23 de dezembro de 2007

GENTE DA MINHA CIDADE

UM BOM NATAL E UM ANO NOVO PRÓSPERO PARA TODOS

FRANCISCO LÁZARO CORTES, um grande Farense.

Da obra do Dr. Libertário Viegas, “Histórias `a Solta nas Ruas de Faro,” retiro o nome do médico natural de Faro, Dr. Francisco Lázaro Cortes, homem de grande sensibilidade humana, amigo dos mais desfavorecidos a quem assistia gratuitamente.. Por isso lhe chamo de grande figura de Faro ou grande Farense.

No desempenho da sua profissão foi director médico das Termas das Caldas de Monchique, tendo exercido essas funções entre 1873 e 1876, acumulando a direcção técnica e administrativa

A casa da família Cortes, que pertenceu a Francisco Lázaro Cortes, está construída no interior da Vila-Adentro, anexo às muralhas medievais e ao Arco do Repouso, edifício que dispõe de um quintal de grandes dimensões. Trata-se de um edifício com dois pisos e com elementos arquitectónicos dos séculos XVIII e XIX..

Há aqui um pormenor de análise interessante que é o seguinte. A habitação do Dr. Cortes, à época e talvez ainda hoje, evidencia um grande sinal exterior de riqueza. Será que o Dr. Cortes era rico? Lembro-me de as minhas primas ligarem este nome a terrenos de regadio e sequeiro ali para os lados de Mata Lobos. De qualquer maneira assistir gratuitamente os mais desfavorecidos era uma atitude de honradez compatível com o republicanismo que estava a dar os seus primeiros passos.

O movimento Republicano iniciou-se em Portugal por volta de 1858, baseando o seu comportamento naquilo que escreveu sobre a figura da República, Henriques Nogueira que, duma maneira geral, era praticamente o regime político socialista que se praticava na Europa..

O grande impulso ao surto do republicanismo em Portugal saiu da geração de1865-70 e talvez o Dr. Cortes fizesse parte dela.

As condições de vida na Europa tinham mudado e parecia haver mais esperança na chegada próxima de um mundo republicano ou socialista. A República já triunfara em França (1870), fora proclamada em Espanha (1873/ 74) e estava no bom caminho em Itália.
Homens como Elias Garcia (1830- 91), Teófilo Braga (1843 – 1924), Basílio Teles (1856 – 1923) e Sampaio Bruno (1857-1915) foram contemporâneos do Dr. Lázaro Cortes e todos tiveram uma acção decisiva na difusão do ideário republicano. Discutia-se na época, com paixão as teorias do cientismo e do positivismo que era um antídoto contra a religião, característico da via socialista.
O republicanismo era uma política socialista.

Seria por esse facto, ser socialista, que o Dr. Cortes não cobrava as consultas aos mais desfavorecidos?:..

Bibliografia: Histórias à Solta nas Ruas de Faro de Dr. Libertário Viegas
História da Primeira República de Oliveira Marques.

João Brito Sousa

Sem comentários:

Publicar um comentário