segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

POLÍTICA

(parlamento)

QUEM É O CULPADO?
Por JOÃO PEREIRA COUTINHO

Será possível culpar exclusivamente o Governo por não cumprir o que promete?

Segundo parece, é possível e até inevitável: dos 150 mil empregos à não subida de impostos, sem esquecer a isenção de portagens nas Scut e o fatal referendo à 'Europa', o engenheiro foi rasgando airosamente o que andou a prometer aos portugueses.

Sou insuspeito de simpatias socráticas - mas, no caso em apreço, não peço a cabeça do primeiro-ministro. Se existe um verdadeiro responsável pela desvergonha corrente, ele dá pelo nome de povo português. Basta recuar a 2005 e reler, com a seriedade possível, as promessas eleitorais com que o PS pretendia regressar ao poder.

Exageradas? Digamos apenas isto: em 2005, o eng. Sócrates, se quisesse, até podia ter prometido 72 virgens a cada macho lusitano; o povo, rendido e grato, estava disposto a imolar-se por ele.

Depois de Santana, viria o milagre - e Sócrates só podia mesmo tirar 150 mil empregos da cartola, pôr a economia portuguesa a crescer sem freio e, em gesto de intocável brio nacional, fazer peito aos seus pares europeus e referendar a 'constituição'.

Verdade que, nesses tempos áureos, alguns incréus ainda se deram ao trabalho de somar 2 mais 2 e contemplar a fantasia em colunas ou blogues. Mas os portugueses acreditavam no que queriam acreditar e, três anos depois, a julgar pelas sondagens da praxe, continuam a acreditar, o que sem dúvida define a sanidade da espécie.

Sobra a questão, nunca devidamente apreciada, de saber se em 2009 devemos mudar de governo ou, então, mudar de povo. Eu acho que devemos mudar de povo.
MUNDOS PERFEITOS

Em 1999, o historiador Robert Proctor publicou um livro que merecia tradução entre nós. Intitula-se 'The Nazi War on Cancer' e Proctor pretende mostrar como a Alemanha nazi foi pioneira em certas políticas para a saúde que hoje se instalaram entre nós. E, a título de exemplo, Proctor investiga as campanhas antitabágicas do Reich, destinadas a apresentar o fumador como um ser vicioso e infecto, capaz de por em risco a pureza da utopia racial alemã.
Utopia: eis a palavra. Porque aquilo que distingue os totalitarismos do século XX é a crença basilar de que é possível produzir um homem novo e perfeito. E um homem novo e perfeito não fuma, não bebe, não come o que não deve. E, já agora, não é judeu, nem cigano, nem homossexual, nem polaco. A natureza totalitária destas ideologias redentoras começa na subjugação do indivíduo a um ideal de perfeição.

É por isso estranho que algumas sumidades tenham aparecido recentemente a denunciar a forma como as palavras 'fascismo' e 'totalitarismo' são usadas para combater o antitabagismo corrente.

As sumidades não apreciam o exercício e pedem respeito pelas palavras. Como é natural, as sumidades respeitam as palavras mas não entendem o que elas encerram no seu significado mais profundo. E acreditam que 'fascismo' e 'totalitarismo' designam coisas 'sérias' e não, como sucede, a aplicação de um ideal higiénico sobre a raça humana.
Ler Robert Proctor talvez desfizesse tanta seriedade. Mas o mais provável era as nossas sumidades desatarem a insultar o historiador.

MEU COMENTÁRIO

Estou inteiramente de acordo com o conteúdo do texto. O povo português é constituído por pessoas pacíficas e como tal as coisas chegaram ao estado em que estão. .Não há poder reivindicativo, não há capacidade de dizer não, não há conhecimento da nossa história onde fomos grandes e ensinámos muitas coisas ao mundo.

Hoje não valemos nada.

JOÃO BRITO SOUSA

Sem comentários:

Publicar um comentário