sábado, 5 de janeiro de 2008

CONTOS DO NORTE

(vivenda do antónio)

EM CASA DO ESTEVES


A mesa tinha toalha de linho, em casa do Esteves era assim, coisa fina. Ó Manel, vamos arrancar com isto, dizia o Esteves. E o Manel logo...cá por mim tudo bem... o trabalho está feito e vamos a isto.. Ó Carrelhas senta- te aí homem, ó Santiago, malta vamos embora a isto. Eram aí uns dez., porque entretanto chegaram mais o senhor Padre Jorge e dois guardas. Abancaram todos.

A Alzira trouxe o sangue que é o principal petisco nesta coisa das matanças, aquilo é cozido e depois serve-se regado com um pouco de vinagre e muita cebola.. É de truz!.. O Carrelhas é que dizia.. é rapaziada, isto está do baril... Vamos a ele. Toda a gente comeu do petisco e depois veio muita coisa mais, como bacalhau, rojões, cozido à portuguesa ... eu sei lá. A festa acabou eram aí umas quatro horas da tarde O Carrelhas contou histórias de vidas, umas da vida dele outras não, mais no contexto social quando foi a salto para a França as desilusões da chegada, as dificuldades para encontrar trabalho as injustiças da vida, os outros falaram doutras coisas e o tempo esgotou-se.

Na cozinha a azáfama das mulheres no retalhar da carne e arrumação do toucinho e das carnes magras, corria às mil maravilhas. A Zélinha, filha da Alzira, estava de olho no Zé Grilo. E dizia, se hoje houvesse aqui bailação, hoje é que era .. ia buscar o Zé para dançar. E neste ambiente o trabalho se fez .

O Esteves estava satisfeito com a arrumação das carnes, da casa e todo o trabalho tinha corrido bem. E se jogássemos um jogo sueca, disse o Esteves. Vamos a isso disse o Carrelhas. Eu jogo com o Santiago E tu ó Esteves... jogas com o Grilo, é o patrão e trabalhador da casa contra os convidados. E nada de truques baixos, ouviram, avisou logo o Carrelhas. Ò Alzira, trás aí o baralho de cartas, esse novo que eu trouxe da Vila há dias. Porque eles querem é cartas viciadas... isto são uns malandros

O jogo da sueca é um jogo muito popular nas aldeias de Portugal. Formam-se equipas de dois contra dois e o baralho tem quarenta cartas de quatro naipes. As cartas são baralhadas e um parceiro corta o baralho (separa-o) e o outro dá as cartas a cada um dos quatro intervenientes que as arruma em termos de naipes, para melhor estudar o jogo.. E um jogo que só tem beleza se bem jogado. Tem regras. Por exemplo, carta seca é carta de saída. Se o parceiro cobrir e vencer a vasa, volta a jogo no mesmo naipe. No fim do jogo cada equipa recolhe as vasas e conta os pontos que fez.. vencedor é o que faz mais pontos. .

É um jogo calado, onde os intervenientes estão concentrados nele. A dificuldade do jogo está no facto de ser um jogo de equipa, ou seja, as cartas de um parceiro têm de encaixar nas cartas do outro. Às vezes, geram-se discussões intermináveis acerca de se ter jogado esta carta em vez da outra e vice versa.. O bom jogador de sueca é uma pessoa calma mas muito concentrada e com grande capacidade de atenção ao jogo que vai saindo o que é muito importante saber.

No Norte de Portugal joga-se nas tabernas Eram cinco horas da tarde quando o jogo terminou. E toda a gente regressou a casa... Feliz e contente. E a rapaziada despediu-se....

João Brito Sousa

Sem comentários:

Publicar um comentário