domingo, 6 de janeiro de 2008

CRÓNICA DE OLHAR SERENO

(antero de quental)

CRÓNICA LIVRE

Mais um dia que chega ao fim.

O Luís PACHECO diria: É tudo a mesma merda.
Às vezes até duvido da existência da realidade.
O ROBERTO AFONSO é que sabe.


VIVER

Vamos a isso... o caminho é para a frente
A morte do Jovito foi uma grande mágoa!...
Era um homem bom... como toda a gente
Morreu, ironia do destino, afogado em água...

E os outros que morrem sem dizer nada?...
Queria beber o vinho do mundo inteiro...
Morreu quando a água do mar estava gelada
Não contestou a vida; viveu-a primeiro.

E agora ficámos nós... todos ou alguns, `a espera...
Que na manhã de amanhã chegue a primavera
E que uma criança venha até nós com uma flor....

Olha um caixão que vai dentro da furgoneta
Atrás vai a soluçar a sua terceira neta
E tu, que pensas, ficamos ... ou vamos, AMOR.

João Brito Sousa

Sem comentários:

Publicar um comentário