quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

OPINIÃO


PEDRO HENRIQUES E MANUEL MACHADO ESTÃO A MAIS NO FUTEBOL

E DEVEM SER SANEADOS E PROIBIDOS DE FALAR DE FUTEBOL. PORQUE NÃO TÊM A POSTURA DESEJÁVEL PARA O DESEMPENHO DAS MISSÕES ONDE AGORA SE ENCONTRAM.

PEDRO HENRIQUES, PORQUE VIU MIGUEL VÍCTOR NO CHÃO ENCOSTAR A BOLA PARA KATSURANIS FACTURAR E ANDA A ESPALHAR A SUA SABEDORIA AFIRMANDO COISAS QUE É IMPOSSÍVEL ELE VER.

O QUE ELE PODIA VER E DEVIA VER FOI O QUE NÃO VIU. REFIRO-ME AO CORTE DA BOLA COM A MÃO DO JOGADOR DO NACIONAL QUANDO ESTA SAIU DA CABEÇA DO JOGADOR DO BENFICA E DEPOIS A CACETADA QUE FOI VÍTIMA MIGUEL VÍCTOR QUE FOI AO CHÃO.

SÃO DUAS SITUAÇÕES ANTERIORES AQUELA QUE ELE SANCIONOU.
PREFERIU NÃO VER E SANCIONAR O QUE SÓ ELE VIU.

COMOÉ POSSÍVEL NÃO VER O ÓBVIO E VER O QUE NINGUÉM VIU.

PAARECE-ME QUE PEDRO HENRIQUES NÃO É HOMEM DE BEM, CONTRARIAMENET AO QUE PENSEI INICIALMENTE.

DEVE FICAR APENAS NA TROPA; NO FUTEBOL NÃO, PORQUE PREJUDCA TERCEIROS.
PEÇO IRRADIAÇÃO, PORTANTO.

IDEM PARA MANUEL MACHADO PELAS ECLARAÇÕES INFELIZES QUE PRESTOU.

DO JORNAL O JOGO
PARECER SOBRE A EXPLICAÇÃO DE PEDRO HENRIQUES
JORGE COROADO
Falta? de modo algum!
De modo algum a explicação do árbitro altera a minha opinião. É um facto que a intencionalidade já acabou, mas verdade insofismável é aquela que exige sensibilidade, compreensão e conhecimento do jogo. Na verdade, tratou-se de um alívio desferido à queima-roupa em que o defesa do Nacional emprega toda a sua força na bola para a colocar longe da baliza, e de modo algum, mesmo que o gesto de Miguel Vítor tenha eventualmente sido como reflexo de protecção, pode ser considerado faltoso. Objectivamente, foi a bola que embateu na mão do jogador, e não o jogador que foi à procura da bola.
ROSA SANTOS
O Movimento é acidental
É verdade que a intencionalidade já não está na lei, mas continuo a não concordar com Pedro Henriques. Porque os árbitros têm na mesma de julgar se é cometida uma falta ou, pelo contrário, se se trata de um movimento completamente acidental. A bola até pode ter batido na mão de Miguel Vítor, mas ele cai, e, com ele deitado, é a bola que vai embater nele, e não ele que procura o contacto com a bola. O que eu vejo é a bola a ir contra ele, e não ele a jogar a bola. Mantenho, portanto, a minha opinião de que não havia qualquer motivo para o árbitro anular o golo de Cardozo.
SOARES DIAS
Se fosse intencional...
Revistas as imagens e tendo em atenção os comentários efectuados, posso dizer que, de facto, se vê a bola a embater na mão de Miguel Vítor. Tenho, portanto, de aceitar a decisão. Naquela fracção de segundo, a decisão não podia ser outra - a não ser que tivesse mesmo a certeza absoluta. Se fosse eu, penso que tinha agido da mesma forma, desde que os meus olhos tivessem visto que o Miguel Vítor tocou a bola intencionalmente. Não sabemos se o gesto que ele fez é ou não para tocar deliberadamente a bola, mas, se o árbitro decidiu assim, é porque naquele instante teve a certeza absoluta de que estava a agir bem.
ANTÓNIO ROLA
Mão não é igual a infracção
O jogador do Benfica está caído a contorcer-se, e não se vislumbra qualquer infracção, até porque, em última instância, não se consegue identificar com exactidão qual a zona do corpo do atleta em que a bola embate. Sempre que a bola toque num braço ou na mão, isso não significa que exista uma infracção. Uma coisa é mão na bola… outra é bola na mão. Há duas formas de se julgar um lance deste tipo: uma delas é interpretar-se que é a bola a ir ao braço; outra é interpretar-se que é o braço ou a mão a irem à bola. Em relação a este caso, reafirmo, portanto, a minha opinião de que se trata de um caso que não é faltoso
MAIS OPNIÃO

Declarações (infelizes) do presidente da APAF ao jornal RECORD


“O presidente da APAF apoia Pedro Henriques. “Já falei com o árbitro. O que me disse ele? Isso é connosco. Confio a 100 por cento no árbitro em causa. É militar, é uma pessoa de bem, é sincero. Não pode mentir! Os factos foram presenciados por várias pessoas”, afirma António Sérgio, acrescentando: “Se o árbitro entendeu expulsar o jogador... é normal, face ao que sucedeu. É lamentável e desagradável que ocorram situações deste género. Seria bom que existisse protecção aos árbitros e fosse impossível que os jogadores tivessem contacto com eles nos corredores.”António Sérgio mostra-se preocupado com a frequência crescente de situações anómalas em relação aos árbitros. “Os jogadores às vezes dizem o que não deviam dizer, faltando-lhes calma e serenidade. Só peço que seja feita justiça e se evite que estas situações se repitam. É isso que me preocupa!”, diz o dirigente, frisando: “A função da APAF não é persegue ninguém. O nome do jogador em causa, para este efeito, nada me interessa.”


Não concordo com o presidente da APAF, por,

1 – Confia no árbitro a 100%. Porquê? Por ter ajuizado mal o lance? Ou porque razão? Terá de explicar.
2 –Ao dizer que o árbitro não pode mentir estará a considerar quem não concorda com o árbitro está a mentir. Com que direito? Só o árbitro é que é verdadeiro quando não foi, na minha opinião do julgamento que fez do lance.
3 – Diz o senhor que o árbitro expulsar um jogador é normal. Que é que o jogador fez? E porque o fez?.
4 – Lamentável diz o senhor, o que se passou no corredor. Não defendo isso mas o que me parece lamentável são as suas declarações à imprensa, onde o senhor parece vir promover a injustiça..
5 – Já pensou em demitir-se. Então pense nisso porque em meu entender o senhor está amais no futebol.

João Brito Sousa
i

Sem comentários:

Publicar um comentário