domingo, 9 de novembro de 2008

PORQUE HOJE É DOMINGO



FALANDO DE FUTEBOL

Os jogos entre o FARENSE e o OLHANENSE.

Penso que os de Olhão sempre tiveram mais jeito para jogar à bola que os de Faro.
Os jogos entre as equipas de futebol do SCFarense e SCOlhanense constituíram sempre grandes espectáculos populares.

As populações das duas cidades, aplaudem, nos jogos, as respectivas equipas com entusiasmo excessivo. Ao amor ao clube, junta-se o amor à terra onde se nasce, resultando daqui uma grande paixão. E como tudo o que é feito com paixão gera excessos, esse aplauso à equipa de cada uma das terras, às vezes, provocava cenas desagradáveis.

A esta forma de aplaudir, que normalmente gera situações de euforia ou de excesso, é o que chamamos de rivalidade ou bairrismo e surge entre terras vizinhas. O bairrismo é uma característica do bairrista ou habitante do bairro, aquele que defende com entusiasmo os seus interesses, ou aquele que lhe devota afeição especial ou exagerada e tem atitudes de hostilidade ou menosprezo para com as outras cidades.

Era isto que acontecia nos jogos de futebol entre as duas equipas de Faro e Olhão.
O futebol é um jogo que tem muitos adeptos porque, todos ou quase todos nós, o praticámos em miúdos e pensamos que percebemos da poda.

Por isso e porque tínhamos as nossas referências ou os nossos ídolos, que já jogavam nas competições oficiais e a quem queríamos imitar, começamos a defender os da nossa cor, por mais isto e por mais aquilo.

E como o nosso é sempre o melhor, daqui nascem as rivalidades, em que valorizamos uns e menosprezam outros.
Não me parece uma atitude correcta.
O fundamental é respeitar a competição e cada um deve fazer isso dando de si o melhor que puder e souber.

Nos jogos entre o Farense e o Olhanense notava-se quase sempre o reflexo dessa rivalidade.
Havia pessoas que levavam pedras para o campo, ameaçavam, faziam esperas e coisas assim, à semelhança das claques de hoje dos clubes, que praticam actos de vandalismo condenáveis.

Do site http://www.maisfutebo.iol.pt/, retirei que, “A rivalidade entre Farense e Olhanense sempre existiu, inevitável entre os dois clubes mais representativos de duas cidades separadas por escassos oito quilómetros. A crise dos leões de Faro foi extremada pelos adeptos olhanenses, em 2003/04, em jogo da II divisão B. «Quando entraram em campo, atirámos papo-secos (carcaças) para eles comerem, mas não se devem ter safado porque eram duros», conta Carlos Freitas, membro da claque olhanense, que relembrou outro episódio desse jogo: «Dizia-se antes do jogo que o dinheiro da receita seria para eles pagarem o subsídio de Natal aos jogadores. Não acreditei, mas depois li declarações de dirigentes a dizer isso, o que me deixou satisfeito.»

E anda que: “O jogo do Farense, na temporada passada, frente à Safol Olhanense, popular clube de um bairro da cidade da restauração, gerou uma onda de entusiasmo que cativou cerca de duas mil pessoas na assistência. «Já posso morrer descansado, pois já vi o Farense jogar com a Safol¿ e não ganhou», gracejava no final um conhecido adepto do Olhanense, satisfeito com o 2-2.”

O futebol é arte e é nesse sentido que terá de ser visto.

Uma abertura para golo, do Rialito do Farense, ou uma antecipação do Reina, do Olhanense, saindo a jogar, com a arte que cada um desses jogadores possuía e punha ao serviço do jogo, é uma mensagem do belo que a nossa alma recebe e aplaude.

O futebol serve para isto mesmo, para nos dar alegrias. Qualquer coisa que só um remate do Parra do Olhanense, à entrada da área nos pode dar. Ou do Tarro do Farense.

Futebol é espectáculo popular, seja .para o povo..

E para a alegria do povo.

João Brito Sousa


Sem comentários:

Publicar um comentário